1993 – Mundial Goju-kai em Tokyo I

Me lembro que no Mundial da África do Sul, enquanto me concentrava e tinha um momento de introspecção, me lembrei da primeira vez que participei de um mundial e de quantos sonhos se formaram desde então, haviam se passado dezesseis anos……

Após poder voltar às competições, meu Sensei disse que iríamos participar do Mundial de Karate-do Goju-kai, que seria realizado em Tokyo naquele ano. Nossa, não é todo dia que você recebe uma notícia destas. Principalmente porque cresci vendo ídolos e chegando ao Japão, muitos vi de perto, então era uma sensação estranha ter a oportunidade de participar de algo que sempre almejei. Ainda mais que não seria apenas eu, meu brother Horácio também participaria, nossa, ele com onze anos e já participaria de um Campeonato Mundial, era realmente incrível.
Imaginava que iria enfrentar os melhores competidores do mundo, e principalmente os melhores do Japão. Agora não era apenas treinar muito, teria que ter muito mais.
Lembro de treinarmos muito, mas no nosso Dojo, os ideais eram maiores do que as competições, e, mesmo sendo um campeonato mundial, não me lembro de treinarmos nada especificamente, por isso mantínhamos o bom e velho treino forte tradicional.
Não sei dizer muito bem quais eram as minhas expectativas em relação ao resultado do Mundial, era uma mistura de tudo, estar ali já era parte de um sonho, havia sim a vontade de vencer, mas também sabia de minha condição e não era nem de longe um dos melhores do Japão (rsrsrs).
Chegar nas dependências do Chiba Port Arena já era fascinante, ao entrar deixar nossos tênis em uma sapateira gigante e pegar alí um par de “suripas” (chinelo para usar dentro das casas), imaginem isso em um evento que reuniu mais de duas mil pessoas….. Além da beleza do Ginásio, a organização se mostrou impecável, desfile com as delegações e a abetura oficial com todos os participantes juntos realizando o kata Sanchin, foi realmente uma grande emoção.
Todos saindo da área de competição, a ansiedade aumenta e os pensamentos começam a inundar a mente, estava quase chegando a hora de competir…..

Para quem quiser ver o Chiba Port Arena, o endereço é: http://chibacity.spo-sin.or.jp/shisetsu/arena/shisetu/arena_main.htm

3 comments

  1. Douglas says:

    Olá! Tudo bem?
    Como bem disse antes, este blog acabou se tornando leitura “obrigatória”… gosto muito e acabo “viajando” junto com o que leio.
    Japão, país que me fascina desde criança, mas que não tive ainda a chance de conhecê-lo. Do pouco que sei à respeito, tenho ciência sobre o “abismo cultural” que separara o Brasil da Terra do Sol Nascente. Mas, mesmo assim, jamais me ocorreu algo como a “Sapateria Gigante” para dois mil pares de sapatos.
    É incrível o nível de organização que eles lá tem à ponto de dar continuidade à tradição de deixar os sapatos do lado de fora de um recinto, até mesmo em um ginásio que abriga milhares de pessoas. Entretanto, pensando direitinho, um local onde será disputada uma competição de karatê (ou um outro evento desta natureza), acaba sendo como uma morada dos que ali estão… mesmo que por algumas horas e, por esta razão, dígno de respeito aos mesmos.
    Por fim, gostei da ilustração usada neste post. É inusitada e aposto que pode ter deixado muitos na dúvida, mas como “sou do ramo”…
    Esta sequência de setas usadas – similiares às encontradas em videogames de luta famosos como o Street Fighter – e terminadas com as letras A e H, poderia ser um “Comando Especial de Super Combo dos Irmãos Saito”, o “Saito Borudá Gatai Ken”? Desculpe… não sei japonês e inventei na hora. É que adoro os nomes de golpes que eles inventam. Rss!
    Até mais…
    Oss!

  2. Saito Akira says:

    Obrigado Douglas pelo comentário, e realmente as diferenças culturais são enormes. Espero sinceramente que um dia você possa ir até lá e ver de perto tudo que é fascinante! 🙂
    Agradeço pelo seu assiduo comparecimento no nosso blog e que nossas histórias possam de alguma forma ajudar a mantermos esta maravilhosa arte que é o Karate-do!!!!!
    Oss

  3. Douglas says:

    Olá… novamente!
    Minhas visitas no blog, como tenho lido os posts mais antigos também, tem se tornado uma fonte de inspiração e conhecimento muito importantes para minha vida dentro do karatê. Um dia, quem sabe, contarei o quanto está sendo “inusitado” este meu caminho dentro nesta maravilhosa arte.
    Então, ler à respeito das experiências, suas e do Horácio no Japão, como disse no recado anterior, me fazem “viajar” junto de certa forma.
    Até mais Sensei.
    Oss!