Archive for October 24, 2011

O Caminho do Budo

Em todos os momentos, seja durante os treinamentos ou fora deles, estávamos sempre de alguma forma praticando Caminho do Budo. Não de forma metódica ou programada, mas sempre aplicando suas teorias em nossas práticas diárias. Conversávamos muito e em todo momento podíamos citar, ver e comprovar a eficácia de um povo onde a cultura respeita leis e regras. O que era certo e o que era errado era muito bem definido, não restando opções para conveniências onde o meio errado pode se tornar meio certo.
Nesta época, poder mostrar ao meu brother a importância de se seguir tais leis e regras era gratificante, mesmo não tendo a noção naquele instante que no futuro seria tão importante em nossa jornada este tipo de pensamento e conduta.
Como no Japão eu não dirigia, sempre caminhávamos. Íamos a todos os lugares de ônibus, trem e táxi. Isto não era problema algum, já que estávamos em um País do primeiro mundo. Primeiro pela segurança, já que não tínhamos que nos preocupar em andar seja de dia, de noite ou de madrugada, com assaltos, sequestros, ou qualquer outro tipo de violência de terceiro mundo. Segundo porque as autoridades se preocupavam com a população sim e por isso o transporte público funcionava e bem. Sempre me lembro de fatos interessantes como os horários dos ônibus serem pontuais (em qualquer ponto), do motorista falar sempre que virava à direita, esquerda ou que iria frear, de que não havia cobrador e fica à sua inteira responsabilidade e senso de honestidade pagar o valor correto pela viagem. Muitos brasileiros viveram nesta mesma sociedade, uns aprenderam e trouxeram na bagagem esta forma de melhorar a nossa sociedade aqui, outros pelo contrário reclamavam sempre de discriminação e de que no Brasil era diferente e teimavam em manter o que chamamos de “jeitinho brasileiro”. Ainda bem que a educação de casa nos fez ser parte do primeiro grupo.
Caminhamos juntos, literalmente, para honrar nosso Mestre, o nome de nossa família e nosso “Caminho”…..

No lugar certo, pelos lugares certos

Entre um treino aqui e ali, o tempo que eu tinha era gasto da melhor maneira possível. Tirando o tempo que passava na escola, havia o tempo que passava com meus amigos e também aquele, que passava com o meu irmão e os seus amigos.

Mais uma vez, eu era uma espécie de agregado, já que sempre ou quase sempre estive junto do meu irmão, para cima e para baixo.

Entre as lembranças desses amigos, eu lembro constantemente das voltas do Dojo de Sagara aos sábados quase de madrugada, quando passávamos em algum restarante para jantar depois do treino. Do restaurante Chinês “Hong Kong” ao Lamen-ya que chamávamos de porquinho por causa da higiene meio suspeita (que para nós era mais motivo de piada e risos do que preocupação em si).

Das conversas descontraídas, das risadas e até os pratos que comia, lembro de tudo como se fosse hoje. E essas lembranças são tão importantes, porque ali, aqueles lugares, também fizeram parte do meu caminho. Isso quer dizer que nada é feito só de sofrimento e sacrifício, existe sim no caminho os momentos em que pude rir e me divertir, momentos que hoje tem a mesma importância das horas que passei treinando naquela época. Enxergando essa importância, eu enxergo então Karate em tudo. Voltar do treino era sim parte do que tinha sido o treino.

Os treinos com o sensei Kodama, era um tipo de experiência muito diferente, que me tirava de uma rotina de treinos que eu estava acostumado. O estilo do sensei Kodama, era um estilo de Karate de contato, o que trazia para o treino diferenças principalmente na parte de Kumite.

Via meu irmão e o sensei Kodama treinando forte. Em um desses treinos eu vi pela primeira vez alguém quebrara um taco de baseball ao vivo com um chute. Porém o que eu guardo com mais respeito desses treinos, é a vontade que eu sentia naquela época de ser como eles.

Às vezes paro para pensar, vejo que hoje, eu devo estar naquele lugar onde eles estavam, fico feliz e isso me motiva a treinar cada vez mais, porque olhando para o lugar onde eles estão hoje, sei que estou indo para o lugar certo. Enfim, todos os lugares do meu caminho até aqui, soam na minha mente como os lugares mais certos para estar.