Archive for April 19, 2012

Todo presente, se faz presente

Generosidade e humildade são palavras que para mim,. definem grande parte do que significa a palavra Mestre, quando o assunto é Karate-Do.

Por trás de todo conhecimento, de anos de vivência percorrendo um longo caminho, sempre há uma base gigante que expressa tais qualidades.

O Konomoto sensei não era diferente. Ou melhor, ele é a definição da palavra Mestre. Em cada gesto, eu nunca vi um sinal que mostrasse qualquer falta de humildade. E acredito, que o caminho natural do Nagatani sensei seguia pelo mesmo destino.

Os presentes, vindos destes senseis, se contar com os pães de sua padaria, que o sensei Nagatani nos dava sempre após os treinos do sábado para que não gastássemos dinheiro com comida na volta para casa, eram presentes frequentes.

Os pães do sensei Nagatani, a luva da Mizuno que ganhei da Kondo-san, o dinheiro que recebi do sensei de Hamakita, a medalha que um dia foi do sensei Konomoto e que num dia, em uma lição sobre desapego, simplesmente me deu. Tudo isso, todos estes presentes continuam presente na minha vida.

Para mim, mais do que agrado, estes presentes significam confiança e esperança depositadas em nós naquela época. O engraçado disso tudo é que hoje, ao lembrar destas coisas e ao pegar em mãos alguns destes objetos, eu sinto o que eles depositaram nestes presentes. Confiança e esperança.

Existem presentes que só tem como função agradar. Nada de errado com isso, se este for o propósito. Mas existem outros presentes que acredito que poucas pessoas tem a honra de receber na vida, presentes que se fazem presentes, porque você honra, sua, chora e sorri para manter os valores daqueles objetos e memórias intactos.

O valor de cada presente, permanece aqui. Nós estamos presentes.

Presente Especial

O dia do exame para San Dan se aproximava, o Campeonato Nacional Goju-kai se aproximava e o meu retorno para o Brasil também se aproximava. Era um misto de alegria, medo, ansiedade e preocupação. Nestes dias era sempre bom conversar tanto com o Sensei Nagatani (Shihan-dai do Dojo) como com o Hanshi Konomoto. As coisas pareciam sempre bem mais fáceis quando ditas por suas palavras. E desta época acredito que consegui trazer uma das mais importantes lições, que é de sempre pensar, independentemente de quanto a situação esteja ruim, pensar no que o meu Sensei faria, o que ele diria. Tento pensar em como um grande Mestre, como é o meu Sensei resolveria aquela situação. Confesso que esta lição tem sido muito útil desde que retornei do Japão.
Em um dia normal de treinamento, após terminarmos, quando estávamos limpando o Dojo, o Hanshi Konomoto me chamou e disse que gostaria de me entregar algo. Pediu para que eu olhasse dentro de uma caixa que estava no chão, próximo à estante. Olhei curioso e dentro tinha um protetor antigo de karate (bogu), estava completo com o Men (capacete) o Do (protetor de tórax e virilha) e o kote (protetor de mão e antebraço). Achei o máximo, pois nunca tinha visto um ao vivo, apenas em fotos antigas. Fiquei ali admirado, reparando nos detalhes, imaginando de como eram os treinamentos de kumite antigamente, quando utilizavam aqueles protetores. Após ficar um tempão ali admirando, coloquei-os de volta na caixa. Então o Hanshi se vira para mim e diz: É seu! Para você levar ao Brasil.
Na hora nem acreditei, pensei até ter entendido errado. Fiquei sem saber o que fazer, agradeci e agradeci de novo. Peguei a caixa com todo cuidado para guardar no porta mala do carro, não sabia o que dizer e fazer ao certo. Apenas agradeci com toda sinceridade, era um presente sem igual.
Passaram-se quinze anos e olhando para o bogu hoje, continuo ainda com aquela mesma sensação, realmente foi um presente Especial……