Fazer

Uma das coisas que mais admiro na cultura japonesa, e que aprendemos com nossos pais e com nosso Mestre na prática do karate, é o fato de que o valor de “fazer” é maior do que o valor de “falar”. Nossos treinamentos no Honbu Dojo, na cidade de Sagara, eram baseados exatamente neste pensamento, tanto o nosso Mestre Konomoto, quanto o Sensei Nagatani, sempre “mostravam” como fazer e não apenas falavam (e claro, tínhamos que “fazer” repetidas vezes, até ficar aceitável). Isso sempre foi muito importante na nossa base de aprendizado e com certeza, mantemos este mesmo pensamento até hoje.

Nestes treinamentos nosso Sensei sempre nos ensinava que a prática é que nos mantém humildes e que o suor de nossos karate-gis é que nos dá a verdadeira medida de quem somos, sábias palavras.

No honbu Dojo fazíamos periódicamente o “soji” no final das aulas e para a garotada é também um hora de diversão. Passar o pano do chão do Dojo, agachado empurrando o pano, virava uma divertida corrida entre eles. Este Soji servia para limpar não apenas a sujeira, mas também nossas impurezas.

O que fica destas lições é que hoje em dia, muitos falam, da elevação espiritual, do aperfeiçoamento técnico, da busca pela perfeição e da superação, mas o que vale mesmo é o que “fazemos” e o que damos como exemplo.

Grandes lições de todos os dias em que vivemos no Japão, de pessoas que servem realmente de exemplo, lições para a vida toda!!!!!

Comments are closed.