Um Choro de 17 anos

Eu não faço a mínima idéia do que acontece com o mundo quando o assunto é fé.
Mas de uma coisa sobre a minha fé eu sei, acredito que o mundo diz, o que precisa ser dito. E que a fé que nós depositamos nos sonhos, é  a fé que o mundo deposita em nós. Pode ter sido apenas uma estrela cadente qualquer. Mas para mim, e certamente par ao meu irmão, aquela estrela era o mundo nos mostrando o que precisávamos ver. O dia seguinte, seria com certeza um grande dia.

Derrotados pelos japoneses na semi-final por quatro à um, ali estávamos na disputa pela medalha de bronze. Era como se as lembranças, não tivessem levado 17 anos para serem escritas. Ali, prestes à enfrentar os italianos, na minha cabeça eu só enxergava estas lembranças e a certeza da vitória. Lembro de por um instante pedir à Deus, para que pudéssemos apenas fazer aquilo que sabíamos, nada mais, nada menos que isso. Olhava para as letras da minha faixa que diziam “Konomoto Takashi”.
Pensei no nosso sensei, que há tantos anos não vemos. Aquela faixa, nasceu para estar ali, mostrando para o mundo, o Karate de Konomoto Takashi. Olhava para a nossa bandeira, estendida na arquibancada, bandeira da nossa escola Shizuoka Goju-Kan dada pelo nosso mestre em 1996. Deu vontade de chorar. Porém, ainda não era hora para isso. Ainda não havia nada ganho, nada de memórias em flash-back ou homenagens, ainda nos restava vencer. Por isso voltei a me concentrar na disputa para fazer assim o meu papel. Deus fez e certamente sempre faz a sua parte.

Uma grande execução. Sem um segundo sequer de desatenção.  Desde o momento em que pisamos no ginásio naquele dia, nós nos fechamos para todas as outras coisas até mesmo os nossos adversários. Não houve um momento sequer de dúvida e se houvesse eventualmente, o foco de um dos dois era suficiente para cobrir a falha do outro. Talvez tenha sido nessa hora, que eu vi o quanto era forte e significativa a nossa ligação. Dada pelo sangue de irmãos e pelo caminho do Karate-Do.
Momentos antes da decisão dos árbitros, eu tinha certeza de termos feito, deixado ali naquela quadra, o nosso melhor. Julgando pelo que vi, vitória certa.

Quando os cinco árbitros levantaram as bandeiras à nosso favor, eu simplesmente abracei meu irmão e chorei. Aquele era o fruto do nosso trabalho, dos nossos sacrifícios e atritos. Muita gente pensa que é fácil ser o irmão mais novo de Akira Saito. Mas poucos sabem que na verdade é o maior desafio que eu sempre enfrentei. É difícil, porque ele é meu irmão. Ser aluno na maioria das vezes é seguir. E por conseqüência disso, na maioria das vezes trata-se apenas de admirar e aprender. Ser irmão, trata-se de conhecer tudo.  Eu sei que o meu irmão, apesar de ser meu mentor,  tem lá os seus defeitos que só os irmãos conhecem, da mesma forma que ele sabe que tenho tais defeitos também.  Chorar com aquela decisão dos árbitros, que reconheceram de forma unânime que nós merecíamos ser os terceiros do mundo, foi muito mais do que um choro pela medalha. Foi o choro da nossa história. Olhava para a minha faixa, as segurava sem conseguir parar de chorar. Um choro, que  esteve conosco, guardado, desde o meu início no Karate em 1992. Um choro de um irmão mais velho batalhando durante todos estes anos para sem se quer saber, moldar um parceiro. O choro, dos 17 anos.

Comments are closed.